2.4.10

Pessoas surpreendentes

Quem gosta de observar pessoas acaba, uma hora, se surpreendendo com elas. Acontece comigo direto. Outro dia, conversando com um amigo engenheiro civil descobri que ele tem medo de altura! Engraçado que ele é todo macho-alfa, comanda uma equipe enorme, faz os projetos de expansão física da empresa, mas não suporta ficar no topo dos prédios. "Eu não sou passarinho pra ficar no alto", justifica. Claro que rolou uma resenha federal - contei pra todo mundo que ele ficou "chorando" quando cheguei na borda da torre pra fazer umas fotos. E meu amigo engenheiro me surpreendeu de novo: depois da resenha, ele mesmo pegou a câmera, subiu num andaime e fez umas fotos lá de cima. Medo ou reputação? Oh! Dúvida cruel.

Mais surpreendente foi quando vi um amigo gay ficar todo indignado de ver dois homens de mãos dadas na rua. A gente passou por eles, ninguém nem comentou. Só ele: "Que absurdo! Dois caras de mãos dadas! É fim de mundo". E eu, de olhos arregalados: "Ué! Logo você falando isso?" "Onde é que eu vou sair de mãos dadas com outro macho na rua? Me respeita! Não vou me prestar a esse papel nunca!" Aí não tem esse papo de igualdade de direitos, de respeito a orientação sexual - nem ele mesmo acha que se deva sair de mãos dadas, quanto mais exigir esse direito. Fiquei surpresa, de verdade. Porque, hoje, quem não é gay fica se policiando para não fazer comentários politicamente incorretos e tal. Não esperava essa reação. Mesmo. Talvez ele seja diferente porque veio de uma família evangélica, era evangélico também, já teve uma noiva e até hoje frequenta a igreja - só de assumir a homossexualidade nesse contexto já é uma atitude surpreendente.

Agora surpresa mesmo eu fiquei com o Paulo, atendente de telemarketing da Editora Globo. Ele me ligou para vender - com 50% de desconto - uma das revistas da editora. Só atendi porque uma vez meu celular caiu na rua e só não o perdi porque o pessoal da editora me ligou bem na hora. Depois daquele papo de "cliente especial, ofertas imperdíveis", fiquei sabendo que o Paulo tem duas filhas, de 7 e 3 anos, e que a esposa dele está grávida de mais uma menina. Soube o quanto ele ficou emocionado ao ouvir os batimentos cardíacos da terceira princesinha ainda no ultrassom. Paulo ficou sabendo de como meu rapazinho é esperto, quantos anos tem e o que ele curte fazer. Trocamos experiências sobre nossos filhos e até dei bastante risada. Ninguém nem acreditou. Nunca pensei que fosse dizer isso, mas gostaria de falar com o atendente de telemarketing de novo...

Não assinei mais nenhuma revista com a ligação do meu quase amigo - eu mal consigo ler a Crescer e Dudu só curte a Super Interessante, concorrente da Galileu deles. Mas pensando sobre a história de novo, acho que deveria ter assinado. Vai que o Paulo receberia alguma comissão... A mulher dele tá grávida. Poxa, acho que ele merecia...

Um comentário:

A viajante disse...

Concordo. Você tem mesmo razão...acabei de me surpreender (positivamente, senão seria 'me decepcionar'), com alguém. Amei seu espaço. Vou seguir, viu? Um beijo.